Quem perde a noite, perde o dia!


Hoje enquanto tomava um belo banho quente e passava lustro ao mastro, tentava recordar-me de quantas fodas dei com a Engenheira, na única noite que passamos juntos, lá para os lados da Margem Sul, aquando de uma apresentação de um estudo de mercado. Não bateu o recorde das doze marteladas numa noite que eu e a Gata demos, mas roçou a ameaça de fazer cair o recorde.
Eu conheci a Engenheira em ambiente profissional, mas lamentavelmente não vos posso contar dados mais precisos, senão teria de vos matar. A verdade, e é o que interessa para a puta da história, é que a Engenheira tinha aquele ar de puta intelectual que todos os homens apreciam. Menos eu. Mas a verdade é que na falta de cão caça-se com gato, e a Engenheira deu trela, e foi largando corda, a tal ponto que quando eu me apercebi já só me apetecia montá-la infinitamente. Ora, aqui com o "je", deu trela, fodeu-se! O jogo de sedução da tarde correu bem, ela ia rindo comigo, e quando se faz uma mulher rir, temos meio caminho andado para a comer. A ela bastou usar como trunfo o vestido que trazia no corpo. É impossível eu resistir a uma bela coxa. Ela deixou-me delirante durante a tarde, e com as suas palavras doces, retiradas dos livros que lia, lá me foi derretendo. Meu Deus, eu era um puto ainda, como poderia resistir!?!? Ainda me lembro com exactidão do seu vestido, azul, a cair sobre as suas pernas. No final dessa tarde convidei-a para jantar. Eu sabia que ela estaria hospedada num hotel próximo e decidi arriscar. 

- Estou sozinho por cá, e não conheço nada de jeito!
- Pois, eu conheço algumas coisas. Vou tentar safar-me...
- Podíamos até ir jantar juntos. Que achas?
- Pois...... - dizia ela com ar comprometido - Tenho uma amiga que deve vir ter comigo. Não é assim uma grande ideia. Desculpa.

Claro está que eu fiquei podre. Pensava que a ia foder, mas acabei fodido. Fui então ao hotel, e segui para um restaurante no centro da cidade. E qual não é o meu espanto quando a Engenheira entra. Ao inicio ela ficou muito atrapalhada, mas depois lá veio em minha direcção:

- Posso?
- Sim - disse eu sorrindo
- É que a minha amiga acabou por não vir.
- Pois....
- Foi grande coincidencia termo-nos encontrado aqui.

Na minha cabeça já só pairava a estratégia que iria utilizar para a comer, e já me estava a borrifar para as desculpas dela. Bebemos um bom vinho, e fomos conversando e rindo. Dali fomos beber um copo a um bar que o servente do restaurante nos indicou. Copo puxa copo e eu começo a encostar-me a ela, a acariciar-lhe a perna, e ela não se fazendo rogada foi também apalpando as minhas pernas. Com o ambiente escuro, ela foi progredindo e apalpou-me os tomates. Eu confesso que fiquei embaraçado. A minha reacção foi convidá-la para irmos até ao hotel. E fomos.



Chegados ao quarto, o tempo fez-se pouco para nos comermos. Mal entramos, beijamo-nos como se dois esfomeados fossemos. Encostei-a a parede, retirei as cuecas do caminho, ajoelhei-me e ofereci-lhe ali mesmo um primeiro orgasmo com a minha lingua. Depois de se esporrar toda na minha boca, a cabra indicou-me a cama. Deitei-me. Chupou-me o pau até ele estar na sua máxima dureza.

- Tens preservativos?
- Errrr.... 
- Mulher prevenida vale por dois....

Depois de colocarmos o respectivo protector piçal, ela cavalgou-me durante alguns minutos até se vir como uma indígena com o cio. Não resisti, e alguns minutos depois vim-me também, deixando o preservativo na sua máxima capacidade de receber leite, tal foi a descaraga das minhas bolas.

No "primeiro intervalo", ela ainda tentou dizer para lá aquelas barbaridades de frases pseudo-intelectuais que deve ter lido em algum livro de meia tigela. Eu, como não percebo nada disso, para mudar de assunto disse:

- Olha, cala-te e chupa-me o pau até eu ter as bolas sequinhas....

O que se seguiu, foi um sem fim de fodas, que me souberam maravilhosamente bem! Até que próximo do amanhecer, já exaustos, adormecemos!

O pior foi a sessão de trabalho do dia seguinte!

2 comentários:

Mister Charmoso disse...

Ah grande engenheira

Charmoso disse...

Por acaso até nem era muito grande, Mister Charmoso, era pequeninita como a sardinha petinga... ;)