The Pure


Estes dias, armado em nabo, conheci através do Facebook uma rapariga, muito bela e singela, que tem nada mais que 22 anos, e é um traço daqueles!
Não obstante a qualidade fodível da figura, no acto revelou-se uma autêntica borra tesão. Além de não saber mesmo foder, só reclamava do enorme tamanho do meu mais que tudo (aquilo que todas adoram).

Estas mulheres estão a ficar muito fraquinhas!

Photos

Eu só faria um post com a fotografia da minha "espada" se toda a gente que me lê tivesse ecrãs de 24"!

Momento EGO do dia.

Eu e o tal Deus

Por vezes nós somos uma antítese de nós próprios, imaginando que não temos fé naquilo que nós próprios seguimos. Apesar do meu ateísmo, há coisas que são por demais evidentes em mim mesmo. A começar pelo título deste post, onde, apesar de não ter qualquer crença nesse tal ser dominante, não deixo de o mencionar com o respeito que o D maíusculo transmite.

Este post vem a propósito, curiosamente, da minha relação com Deus, inexistente, ou, melhor dizendo, uma relação de descrença e maldizer. Eu digo que ele é um traste que vive da ignorância dos outros, ele de mim deve ter muitas coisas más para dizer, levando em linha de conta que não sigo os seus registos biblícos, nem os seus desígnios.

Mas, nem por isso deixo de o respeitar. E, curioso é, em pequenos detalhes do dia a dia...

Não deixa de ser interessante que, de cada vez que deixo um sapato com a sola virada para cima, lembro-me dos raspanetes da minha mãe, em criança, dizendo que deixar os sapatos nessa posição era uma afronta a Deus e que iria ser castigado com a sua ira. Não sei se era uma técnica da D. Mãe para eu ter sempre o calçado arrumado, mas a verdade é que este dogma ainda hoje me persegue, obrigando-me todas as noites a ter aquele momento em que me obrigo a mim próprio a arrumar o calçado.

Afinal, como sempre disse, a religião será sempre mais uma forma de instruir, educar e fazer atingir valores morais, do que uma realidade palpável.

Haja sapatos!

Fome

Ando cá com uma fome! Ai ando, ando.

Que saudades.....

.... de ter um blogue. De ler e ser lido! De conseguir ver os sonhos dos outros através da composição das suas letras! Ainda há blogues? Ainda vivem? Ou são apenas um mero exemplo do passado recente e da velocidade efêmera das coisas?

Dedinhos de Outono


Outono.... A época em que as folhas caem e as vontades crescem. Pelo menos, assim acontece comigo, e certamente não só comigo. Noto, em estudo feito por mim próprio, com a experiência acumulada dos anos, que é nesta época que se dão as grandes intrusões de prazer! Será uma forma de quebrar a monotonia das cores do Outono? A isso não saberei certamente responder, sendo o ser humano uma máquina tão complexa quanto equilibrada. Este ano, para a rentrée, tinha prometido a mim mes...mo que teria de ser algo sublime, encantador e especial. Foi aí que surgiu, fruto de uma engraçada história passada, a LoiraBemBoa.
A LoiraBemBoaé daquelas mulheres que aos 30 anos atingiu o auge da sua perfeição feminina. Menina e mulher, senhora mas tesuda. Louca mas responsável. Quem diria que, depois de um jogo de sedução onde, para variar ela foi a caçadora, jogando como uma presa, as coisas iriam acabar por se desenrolar, deixando em mim um tesão que transpira nos poros a vontade de mais. Fosse o tempo oportuno e compatível e eu e a LoiraBemBoa seríamos certamente excelentes amantes regulares!
Convidada que foi, por mim, para um encontro secreto, a LoiraBemBoa acedeu. Não fui ambicioso no meu convite:

- LoiraBemBoa, sendo o nosso tempo curto, estacionas lado a lado comigo. Entras no meu carro. O escuro dos meus vidros vão conceder-nos a privacidade que necessitamos....

Depois de jogar a sua estratégia de presa e caçadora, acedeu ao convite. Com a sua beleza e charme, a LoiraBemBoa chegou na hora marcada. Entrou, cumprimentamo-nos e sem mais conversas beijamo-nos. Logo com fluidez os meus dedos procuraram os seus peitos, descendo com alguma mestria até à zona que a faria delirar. Colocados os dedos à descoberta, penetrei-a com o dedo maior, de forma a humedecê-lo o suficiente. Logo decidi subir uns 2cm acima e estimular o seu clitóris. Vibrante com a situação, a putinha ofegava de tal forma, entregando-se aos desígnios do prazer ao qual eu me dispunha a dar. Descontrolada, molhada, aberta... Eu, de pau teso, mas "guardado", continuei a estimulação da bola do delírio que, inchanda de prazer, depressa atingiu um climax recheado de bom e de pecado. Assim que se veio, a LoiraBemBoa apressou-se a olhar para o relógio, e depressa se aprumou, rumando de volta à sua vida, com promessas de novo encontro.

- Charmoso, vou-te compensar da melhor forma. Na próxima.


Altruísta como sempre sou no sexo, despreocupou-me bastante o facto de eu me ter vindo ou não. Tenho prazer quando dou prazer. Haverá apogeu maior na satisfação sexual de alguém?O Outono não tem de ser a estação da monotonia. Podemos fazer desta estação colorida, risonha e alegre.

E tu? Como vais escolher que seja o teu Outono?

Sexy Blond

A minha vida sexual tem andado com a mesma dinâmica da nossa Selecção Nacional de futebol. Empatada.... Na perspectiva de dar uma lufada (e mocada) de ar fresco ao sexo por casa, hoje decidi aventurar-me na descoberta do profundo mundo dos brinquedos sexuais, e fui visitar uma sex shop.
Escolhido a loja, qual o meu espanto, quando entro, que me deparo com uma loira divinalmente boa. Educado e cordial como sempre sou, fiz de conta que nem vi o tesão de gaja que andava ali diante mim, e comecei a ver o que estava nas prateleiras (paus e mais paus de plástico.... uns a pilhas... outras não!!).


Enquanto a tipa atendia uma senhora que vestia e despia corpetes num elegante "changing room", eu discretamente fui tirando as medidas da boazona que ali estava, prestes para me atender.

Quando (finalmente) chegou a minha vez de ser atendido, confesso que me senti um pouco atrapalhado, e nem me conseguia concentrar nas escolhas que queria fazer. Estava com uma enorme dificuldade em desviar o olhar das belíssimas pernas e do perfeito par da mamas da loira.
Desta vez não tive a coragem de avançar, também, sejamos sinceros, com a "outra" no vestiário, não dava muito jeito.
Lá comprei um vibrador e mais uns quantos acessórios para oferecer....

Mas o melhor que lá estava (e que eu comia sem olhar para trás), não estava à venda!

Um pouco de classe

Se há coisa que eu, mero e comum (i)mortal tarado, acho, é que as mulheres estão a cada geração a perder o seu charme. A sua classe. O seu glamour. O seu saber estar. Longe vai o tempo em que as mulheres agradavam tão pouco, e só, pela sua postura e forma de estar. Hoje apenas a falta de roupa as faz serem desejadas. Neste capítulo não invejo a modernidade.
Saudades tenho do tempo em que o olhar de uma mulher me fazia desejá-la, tê-la, possuí-la.... e porque não dizê-lo: fodê-la!

Será culpa delas, ou do "machedo" ávido de consumo imediato?

Muda o que comes

Hipócrates, o conhecido "pai" da medicina, dizia que antes de se tratar um doente, fosse de que forma fosse, deveria alterar-se a sua alimentação.



Eu diria que Hipócrates tem razão....
Quantas vezes vemos as pessoas (ou seres humanos, como preferirem) agarradas a uma relação, infelizes e sem sorriso no rosto, e tudo o que bastava para que as suas vidas mudassem era mudar o que (quem) comem!
Variar na alimentação, é uma recomendação da OMS e é o trilho pelo qual eu me guio. Hoje come-se uma fruta , amanhã outra e sabe muito bem ir variando! Quem me diz que não sabe bem ao ser humano o efeito de uma nova paixoneta??

Por isso tenho uma vida saudável e feliz!