Chasing Cars...

Por vezes, quando me sento ao volante deste meu computador que universalmente me transporta, sinto uma dislexia mental proporcional à minha vontade de escrever. Os momentos do meu dia, da minha vida, correm-me a linha de pensamento, mas de repente tudo é fumo que ardeu no fogo da minha vontade.
Já fazia imenso tempo que eu queria falar da Professorinha. Hoje sentei-me decidido a preservar para todo o sempre, nas linhas deste  blogue a minha história com a Professorinha, uma história que começou muito antes deste blogue.



Sempre mantive segredo no blogue sobre a Professorinha, por ser a mais fascinante de todas as mulheres com quem já me relacionei. Sempre tive medo de, ao escrever, não conseguir fazer transportar para palavras a delícia dos momentos que passei com ela, e a ternura de cada toque e cada sussurrar. Tão especial que a queria guardar só para mim.
A forma como eu e a Professorinha nos conhecemos foi no mínimo pouco ortodoxa. Estão a ver um daqueles "sites" que existiam (e ainda existem) com anúncios pessoais, antes de existir facebook's, hi5's ou blogues??? Pronto. Um contacto chegou para trocarmos os nossos messenger's. Mas a coisa não começou bem. Eu achava-a no mínimo arrogante e "com a mania". Ela pressentia-me mal educado, grosseiro, e sem o mínimo respeito pelas mulheres. Apesar deste pensamento que tínhamos um do outro, fomos mantendo conversas mais ou menos parvas e um tanto ao quanto agressivas no messenger. Um dia, resolvi, não sei por alma de que santo, mudar a minha atitude com ela. Tinha passado mais ou menos um ano desde que nos tínhamos adicionado. A minha mudança de atitude trouxe a pouco e pouco uma melhoria na forma como ela lidava comigo. Começamos a ter conversas normais, e um dia, aconteceu de marcarmos um encontro. Isto sem nunca termos sequer visto as trombas um do outro. Um verdadeiro blind date. Encontramo-nos lá para as bandas de muito longe p'ra caralho, e claro, ela ficou logo encantada com o meu charme (ahahah) e eu com a sua beleza e simpatia. Daí marcamos mais um encontro, outro, mais outro, mais outro, até que aconteceu de nos beijarmos, e passados outros tantos encontros tivemos sexo. Sexo tão bom, que se o descrevesse vocês vinham-se de certeza ao ler. Aí já ela estava surpreendida por achar que a pessoa com quem falava no computador era completamente diferente da pessoa com quem ela andava a sair. E para quem nunca se achou numa relação com uma pessoa comprometida, lá estava ela a enfiar-se na maior aventura da sua vida. Passados alguns tempos de iniciarmos a relação, começaram as pressões inevitáveis para o divórcio. E a partir daqui a relação passou por vários altos e baixos, e eu confesso que alturas houve em que me senti tentado a chegar a casa amarrar em tudo e ceder às pretensões da Professorinha, e momentos houve também em que me apeteceu desaparecer do mapa e não lhe dar mais notícias. Mas falar-lhe era mais forte do que eu. Foram longos e felizes anos os que passei com ela, embora com outras pessoas pelo meio, que mais ou menos iam aparecendo e desaparecendo da minha vida. A velocidade que utilizavam para chegar, era a mesma que utilizavam para partir, basta ver o número de relatos constantes neste blog. No meio disto tudo, aprendi a gostar dela, da sua companhia, e da forma como ela sempre me fez sentir mais calmo e sereno. Junto dela sentia-me realmente bem.No entanto, as coisas acabaram por não acontecer como ela previa, e comigo era impossível ter a relação perfeita. No fundo, nada mais nos ligava a não ser uma bela amizade, e uns momentos de sexo bem passados num motel. Há dias, zangou-se de vez e, foi uma mulher correcta dizendo-me:

"- Desculpa, foste e és a pessoa mais importante da minha vida. Mas a partir de hoje quero viver a minha vida livremente, sem ter de esconder a relação que tenho. A partir de hoje, por favor, desaparece da minha vida."

Obviamente que eu compreendi, e dou um imenso valor ao tempo que ela passou comigo. Eu não aguentaria tanto. Sei que foi das poucas pessoas que realmente se apaixonou por mim, mas também sei que, nesta fase terminal, eu já era apenas o gajo casado que não largava a esposa e de quem ela tinha de se ver livre. Como mulher inteligente que é, aproveitou o melhor da relação, até que nada mais havia a ganhar com isto. E eu vou ter saudades dela, mas vou respeitar o seu pedido.

Muitas pessoas podem ficar surpreendidas com o facto de eu conseguir manter algumas quantas pseudo-relações no mesmo espaço temporal, sem que haja suspeitas ou sinais de parte a parte. Pois, a Professorinha é a minha mais antiga relação (se assim o poderemos chamar), e durou até agora. Até ela decidir que merece mais que "namorar" um homem casado. E com o fim da minha relação com a Professorinha, termina a última das relações extra conjugais que ainda mantinha. E agora?

15 comentários:

Lisa disse...

E agora?
Agora arranjas outra, sem nunca esquecer as que entretanto passaram e deixaram marca... :P

Acima de tudo gosto da forma como escreves e da emoção que transmites em todas as aventuras que contas...

Colocando os moralismos de lado, considero-te um homem com H grande, em todos os sentidos...

És mesmo charmoso e espero que continues assim... ;)

Bjokitas

Bianca disse...

E agora... A cabra tem um consultório 24h, qualquer dúvida afectuosa ou apenas " a dúvida" conta com a montanha da Cabra branca, completamente Branca! Estarei para te receber com as palavras que jamais imaginaste.

M. disse...

"E com o fim da minha relação com a Professorinha, termina a última das relações extra conjugais que ainda mantinha. E agora?"

É o fim do blog?

Jana disse...

Agora certamente que vão aparecer umas quantas professorinhas para te "enxugar" as lágrimas!!
Conheço alguém com um estilo de vida tão parecido do teu!!! A única diferença é que AINDA não é casado!!
Beijos

Onisa disse...

Agora??? Hummm ganhas juízo?

Lua disse...

Que delicia de blog,,,
Voltarei com tempo.
Beijo charmoso
lua

Balada da minha Alma disse...

Agora...aperta, aperta com ela! Lolol

Vamos lá à dança!

desejo disse...

"...eu já era apenas o gajo casado que não largava a esposa e de quem ela tinha de se ver livre."

Pensamento óbvio.
Quem teve "tomates" para acabar foi ela. Tu nunca a irias deixar. É confortável ter quantas queres mais a mulher.
Coragem, falta de coragem a tua.
Se gostasses dela não a deixarias a tua mulher à mesma.
És um sedento de sexo.

Diana

' Claudjinha disse...

agora é tempo de experimentares ser fiel por uns meses =P (atenção, com isto não te julgo. estou só a dar uma sugestão).

gostei da história e é realmente precisa muita arte para se manter essas relações simultâneas..

Stargazer disse...

Olá,

"Tropecei" no teu blog através de uma "ejaculação" (não minha, subentenda-se) e devo dizer que este post tem algumas paralelas onde me li, revi e revivi.

Muito se poderia dizer sobre este fenómeno social emergente que são as relações reais que nascem via blogosfera, ou, de mundo virtual.

E agora, perguntas tu, que provavelmente acabaste por perder um ponto de referência?

Só te posso responder como faço a mim própria, Life goes on!

Beijo,

Profundo Olhar disse...

Charmoso,agora vem a outra parte....aquela que tu bem sabes descrever com charme e subtileza..

beijos

Brandie disse...

Agora faz-te à vida para arranjares mais:PPPP

Só há um pormenor, quando dizes que elas não sabem umas das outras das duas uma:
-elas não sabem porque são relações esporádicas e por isso é menos possível observarem certos pormenores, mas desconfiam (sim, desconfiam).

-Elas sbem perfeitamente, mas toleram porque também gostam e/ou têm esperança de um dia terem exclusividade.

Vesúvia disse...

Depois de eu ter confessado o meu cardápio de Joãos, tu agora vens-me com uma professorinha?
isto há com cada coisa, coincidências...

bem, foi com um "desabafo" do género que eu comecei o meu blog... nem por isso esqueci o protagonista, mas entretanto acrescentei a lista de relacionamentos falhados! ;)

Nanny disse...

Agora...?

Life goes on!

Um destes dias arranjas uma substituta! LOL

Anónimo disse...

:) Vim-me...e agora vou-me....

Ass : Ice