M

Se há pessoa culpada desta minha taradice, essa pessoa é a M. Eu conheci a M., quando ela tinha vinte anos, e eu dezasseis. Os dias de calor e praia convidavam ao conhecimento, e eu não consegui ficar indiferente ao corpo semi-desnudado, bronzeado. A sua elegância fazia-me parar por longos minutos a admirá-la enquanto ela se dirigia para uns banhos de mar, qual sereia tornada realidade. Quando voltava, pingando água salgada, eu deleitava-me a imaginar-me agarrado aos arrepiados bicos dos seus fartos seios, que teimavam em arredondar as formas de um bikini em tons de laranja e amarelo. Eu era um ainda virgem escravo da masturbação, e não passava apenas de imagens em sonhos, eu e a M. Como eu estava enganado . . .
Com o passar dos dias eu e o meu grupo de amigos fomo-nos aproximando do grupo de raparigas da qual a M fazia parte. Era um grupo de 5 raparigas, todas elas lindas, e todas elas muito mais velhas que nós. Um dia, aproveitando um dias de extremo calor em que a praia estava submersa de pessoas, resolvemos chegar-nos tão perto, que as nossas toalhas quase se tocavam. Foi o mote para a meio da tarde já estarmos todos juntos a pretexto de um jogo de cartas. Seguiram-se uns banhos de mar, um bocado de volei, umas raquetes, ums brincadeiras, e com tudo isto o final do dia também. Ao segundo dia, não hesitamos em convidá-las para um café numa esplanada, ao final da noite. Apesar de sermos uns "putos" ao pé delas, elas acederam.
Assim se foi criando a teia que compunha a trama da minha amizade com a M. Eu não conseguia ser indiferente ao sorriso e ao olhar penetrante e expressivo dela. Passados uns dias, uma das miudas fez anos e resolvemos comemorar com uma festa na praia "pela noite dentro". Catalizador de emoções, o alcóol é sempre uma óptima droga relaxante, que nos ajuda a exprimir e a sentirmo-nos mais seguros e confiantes. Entre um copo e outro, eu e a M, estavamos a cimentar a nossa proximidade. Nesse dia trocamos beijos, abraços, e também a certeza de que, nessas idades, a nossa diferença era quase enorme. Com o andar do tempo, trocamos sonhos e promessas, e a certeza de que iríamos ser o primeiro "amante" um do outro.
Eu e a M fomos uns fieis amantes de Verão. Posso-lhe chamar uma amizade recheada de beijos. Mas com a chegada de Setembro, ela voltou para a longínqua cidade onde estudava, e eu voltei à minha rotina de treinos e escola. Como ainda não estávamos na era da net nem do telemóvel, passaram-se uns meses sem ver aquela linda sereia. Julguei que nunca mais a ia ver.
Era Janeiro do ano seguinte, e eu juntamente com o meu grupo de amigos, fui ao um bar que existe junto á Foz da cidade onde vivo. Acho que senti os meus olhos sorrirem quando ao fundo do bar vejo a M., assim mesmo como ela era: simples, linda, apaixonante. Não sabia muito bem como reagir. Lembro-me com uma precisão aeronaútica que voltei-lhe as costas e a ignorei. Ela, prontamente me veio abordar, nessa mesma hora, consolidamos aquilo que eu julgava que o tempo iria apagar. Contou-me que tinha agora um namorado, "coisa séria", dizia-me ela. A noite seguiu e a conversa também. Ela ofereceu-se para me levar a casa, e eu, claro, cedi. Dispensável será dizer que terminamos a noite estacionados em frente à praia, dentro do carro, em beijos e apalpões temperados de saudade. Confidenciou-me que não era mais uma virgem, e sublinhava-me o quanto a relação que tinha era importante para ela. Nessa noite, quase acabamos em sexo. Houve apenas o pequeno senão do meu querido amigo "lá de baixo", estar preguiçoso, e não se ter "levantado". Coisas de gajo inexperiente. Ela, com a simpatia que lhe era habitual, convidou-me para saírmos no dia seguinte, dizendo que me devia o momento, e que iria cumprir a promessa. Aí então foi o dia em que pela primeira vez penetrei uma toca do amor. Recordo-me do tesão com que ela me cavalgou, e recordo-me também da rapidez com que ambos nos viemos.
Terminamos a noite crus, nos braços um do outro, a relembrar o Verão inesquecível que tínhamos passado. Verdade é que jamais me divertirei tanto como nesse ano e nos dois/três anos que se seguiram.
Quanto à M, nunca mais a vi. Talvez até se tenha mudado, casado, não sei. Apenas sei que não me vou esquecer com facilidade todos os momentos que passei com ela. Foram intensos, e cobertos de sinceridade e boas intenções.

Alguém consegue esquecer a sua primeira vez?

23 comentários:

Geisha disse...

Claro que não! Ninguém esquece a 1ª vez.
A minha 1ª vez foi com a pessoa mais especial q alguma vez passou na minha vida. Uma pessoa que ainda hoje amo, passados tantos anos, mas que a vida traçou caminhos diferentes para cada um de nós. Hoje ele é casado e mora muito longe, graças a Deus. Infelizmente não temos qualquer tipo de contacto. Ele não quer. E eu tenho por um lado pena, mas por outro entendo.

Marisa disse...

Eu acho que ninguem esquece a 1ºª vez, ou o primeiro amor, mesmo que tenha sido uma boa merda.
Sempre o mesmo.
Andas muito nostálgico ó rapaz.
Beijocas.

SmS disse...

Ui 1 texto tao grande q so li a ultima frase.

A 1ª x n se esquece...nem se esquece o nome da pessoa

E olha que eu n sou dada a lembrar-me de mtas cenas...mas descrevo melhor a mha 1ªx do que outra qq dada há relativamente pouco tempo...por mt boa q tenha sido

eheheh

Isa disse...

Um charmoso, adúltero e romântico...eheheh

Sanxeri disse...

Por acaso a minha nao foi nada de inesquecivel. Natural, demasiado natural. Recordo-me muito vagamento, apesar de ter sido há poucos anos. :)

Gostei Charmoso. Há pessoas inesqueciveis.

DESIRE disse...

Que post maravilhoso!
Beijos prometidos

Mona Lisa disse...

Gostei de ler, da primeira até à ultima palavra. O primeiro namorado não se esquece,o primeiro amor a sério e a primeira vez também não são nenhuma excepção.beijinhos

Charmoso disse...

Geisha, o amor tem traços demasiado complexos para o conseguirmos explicar. Mas fico feliz que tenhas adorado a tua primeira vez, tal como eu adorei a minha!

bjs com charme

Charmoso disse...

Marisa, a nossa vida é construída em tijolos de recordações! ;-)

bjs com charme

Charmoso disse...

SmS, eu lembro-me de todas as pessoas com quem partilhei prazer. Seria deselegante da minha parte assim não o ser. Considero até que seria como que dizer: bah, não prestou!

bjs

Charmoso disse...

Isa, é tão bom saber usar uma das duas consoante as necessidades ;-)

Charmoso disse...

Sanxeri, isso de não te lembrares é muito mau! Muito muito! :-S

Mas ainda bem que concordas que há pessoas inesquecíveis ;-)

Charmoso disse...

Desire, volta sempre para leres mais posts maravilhosos!

bjs

Charmoso disse...

Mona Lisa, eu ainda me lembro do primeiro beijo, e da primeira namorada. Mas todas as pessoas que passaram pela minha vida, por algum ou outro motivo me marcaram!

bjs

Marisa disse...

Acho que vou mesmo precisar da tua ajuda. Eu passo o cursor e o texto desaparece. Parece propositado para criar segredo, ahahah, mas não é. É a minha ignorãncia informática em acção.
Foda-se, que raio de música é esta?
Ahahahah.
Beijocas.

SmS disse...

Charmoso:
quando n presta não presta..n se vai dizer q presta so pr agradar

ehehehe

Olha eu cá n me lembro de todas as pessoas...sou sincera e até já esqueci algumas que me deram 1 prazer diferente...

ehehehe

Charmoso disse...

Marisa, seria boa ideia enviares-me o código HTML por e-mail a ver se eu te consigo ajudar! Não sou grande expert, mas também não há-de ser nada difícil!

Charmoso disse...

SmS, não faças confusão, e lê bem o que escrevi!

Laetitia disse...

Não,a primeira vez nunca se esquece. E é de alguma forma para sempre especial (quanto mais não seja por ter sido a primeira-risos )mua

Salto-Alto disse...

Não, claro que não! Primeira vez é só uma! :)

Cláudia disse...

Sem dúvida que a primeira vez fica sempre guardada nas nossas recordações, pelos melhores ou piores motivos, não interessa....
No meu caso particular, recordo-me como se tivesse sido ontem...nada de especial...fiquei para mim a pensar se era só "aquilo"...
Felizmente que pouco tempo mais tarde mudei drásticamente de opinião...que nos dias de hoje tem a sua mais valia nas minhas investidas sexuais!!!

Já por aqui apareço há algum tempo....curiosidade pela tua escrita mais "nua", talvez!! ...mas só hoje comentei...pela 1º vez...lol

Beijo

Ana disse...

Ninguem esquece! Há é pessoas que gostariam de esquecer, pois nem todas são tão giras como a tua! :)

Blue disse...

Olá! A primeira vez não se esqueçe, nem que tenha sido por dinheiro. Mas bah tchê, será que não esqueço pelo dinheiro gasto? hehheheh3. Abraços