Monólogos mentais



Quem me conhece sabe que sou um palerma de desejos simples, fácil de satisfazer, e rápido de saciar.
Quem sou?
De onde venho?
Para onde vou?
Perguntas dogmáticas que ainda fazem parte da singularidade da minha individualidade. De um forma muito comum gosto de me fechar em conversas comigo próprio, e há assuntos que só consigo conversar com a minha consciência. Why? I don't know....



Quem me conhece sabe que sou um palerma de desejos simples, fácil de satisfazer, e rápido de saciar...

... e com uma cabeça toda fodida como o'caralho!

7 comentários:

Di Almeida disse...

Cena é essa do confessionário?? --->

Charmoso disse...

Di, era suposto as pessoas perceberem que se trata de um avião, e que o puto está fascinado à janela. Mas eu passo a explicar: eu queria transparecer que eu, Smith, estava lá em cima, a olhar para o meu passado cá em baixo. Eh pah, estes sentidos figurados... ninguém os percebe humpft!!!

Lisa disse...

Penso compreender-te, em relação a esses monólogos... por vezes também penso para mim própria sobre a vida que tenho...

Bombocaa disse...

Monólogos...quem não os tem?
:)

Charmoso disse...

Lisa, eu penso sobre a vida que tenho, a que tive e a que gostaria de ter... ;)

Charmoso disse...

Bombocaa, é verdade. Toda a gente acaba, de um forma ou de outra, a falar consigo mesmo ;)

beijo

Malena disse...

O teu problema é que não és um palerma, não tens desejos simples, não és fácil de satisfazer nem rápido de saciar... Por isso tens a cabeça fodida!! :)