A aluna e o professor


Para quem pensa que com o Charmoso tudo corre bem à primeira, tenho uma enorme e desapontante notícia a dar. Com a Cherry nada correu bem à primeira.
A primeira vez que saímos. nada mais aconteceu do que uma boa e relaxante conversa. Oh, really, mas eu nem sequer tentei fazer-lhe pressão sobre as coxas! Será que conta como uma oportunidade desperdiçada?? I really don't think so. Depois, fomos saíndo mais algumas vezes. Um dia, estávamos os dois em alegre cavaqueira a observar as águas paradas do rio, quando eu a tento beijar. acham que colou?? Nada. Népia. Aqueles lábios fecharam-se mais do que uma ameijoa com pérolas dentro. Nesse dia a despedida foi sem sabor. Faltou sal, e eu vim embora decidido a não voltar a ver a Cherry. Sim, lamentem a minha falta de paciência!! Não valia a pena investir o meu tempo naquele fado de muita letra e pouca foda, pensava eu. Pelo caminho recebo uma sms dela, onde pedindo desculpa, diz que percebeu que eu tinha vindo embora zangado. Noutra mensagem recebida no meu Nokia de 7ª geração, explicava-se dizendo que nem ela percebia como era possível ter rejeitado uma coisa que ela tanto desejava. Entendi que lhe era merecida mais uma oportunidade. Afinal de contas, mais vale uma queca na mão que outra a voar.
No dia seguinte sou surpreendido pela sua iniciativa: "Charming, tenho um filme que quero ver contigo." Ora, como eu sou um tipo prestável, arranjei logo maneira de vermos o dito filme na privacidade de um quarto de motel (ok, aproveitei-me porque sabia que era pegar ou largar). No escurinho do filme cujo desenrolar eu já não me lembro, arranco um beijo à Cherry. Um beijo saboroso, digno de uma Cleópatra dos novos tempos. Sem dúvida um dos melhores beijos que alguma vez recebi. Todos imaginam que esse beijo desenvolveu-se para outros campos da minha arte, tais como: apalpanço  de mamas ou mãozadas na cona. Quando a coisa ia bem encaminhada percebi que algo de estranho se passava. "- Que se passa?" "- Nada" - disse ela "Foda-se, alguma coisa se passa. Que foi? Não te sentes confortável é? Não queres?" - perguntei eu a medo "É" "Foda-se, que puta de foda!! Eu aqui cheio de vontade de pinar e agora esta merda..." - pensei eu para com os meus botões de uma forma quase angelical "Oh Cherry, não há problema..." - lá disse eu a muito custo (cof cof cof) E pronto, ali ficamos abraçados, semi-desnudados, a passar o tempo com conversas parvas sobre a reprodução das sementes de Kiwi nos países do báltico.
Charmoso que é Charmoso não desiste, e eu voltei a nova investida. Desta não falhou. Novo convite, usando a mesma táctica do filme e do quarto com privacidade, consegui finalmente engrandecer o meu ego, penentrando na sua quente toca do amor. Dona de uns peitos de fazer inveja, e com uma gruta tão quente quanto apertada, é no prazer que tenho com a Cherry que eu me perco. Descobri um mundo de novas sensações. Com ela, consigo fazer amor durante horas a fio sem sequer pensar em me vir. Os momentos têem sido de descoberta, dado a Cherry ser um pouco inexperiente em termos sexuais. Depois de ela ter descoberto o pilão aqui do Charmoso, as aulas começaram a ser frequentes, e os capítulos avançam a todo o gás. Já vamos pelos prazeres do sexo oral, e recentemente pela chamada leitada nos lábios. Ando a prepará-la para os próximos capítulos: cumshot (para quem não sabe, é favor abrir a boca que eu mostro), e, aula seguinte, sexo anal (cujo eu lhe digo que é uma boa preparação para qualquer candidato a uma retroscopia). 



A verdade seja dita: a Cherry é uma excelente aluna, com nota 20 em todas as aulas. E eu, um digno e nada modesto professor competente ( e babado pela qualidade da sua aluna).

1 comentário:

Bella disse...

Hum entendi... Uma vez me disse como te fascinava e inocência... Certo... Certo... certo!!!!!! Estava fazendo falta... Continue ensinando professor nada modesto... Muito bommm!!!!!!!!!